quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Desaforo!

Olimpíada da cegueira

Paulo Sant'Ana

Há fatos do noticiário que a gente não entende. Esta de o presidente Lula declarar que confia que o povo brasileiro vai impedir que haja corrupção nas obras da Olimpíada do Rio de Janeiro é de cabo de esquadra.

Todos sabem que o povo não tem instrumentos para controlar ou impedir a corrupção,
como é então que Lula declara isso?

Quer dizer, então, que o governo de então vai pagar aos empreiteiros a fortuna colossal para a construção de obras da Olimpíada e o encargo de fiscalizar para que não haja corrupção pertence ao povo brasileiro?
Isso soa como uma brincadeira. Ou como escárnio.

Pelo menos, Lula é a primeira voz governamental que admite que vai haver corrupção... se o povo não fiscalizar.

Isso também qualquer criança de colégio sabe: vai haver corrupção. E da grossa. Da grossura do tamanho do que vão custar as obras, isto é,
corrupção amazônica.

O Brasil quer realizar uma Olimpíada vestindo calça de veludo.

O Brasil vai gastar para fazer a Olimpíada igual fortuna que gastou o Egito para construir as pirâmides ainda existentes de Queóps, Quéfren e Miquerinos.

Com a diferença de que as três pirâmides vão atravessar a eternidade e as obras da Olimpíada do Rio de Janeiro vão desaparecer 15 dias depois como palavras ao vento.

Existe uma omissão colossal na Constituição brasileira: qualquer gasto que fosse superior a, digamos, R$ 50 bilhões tinha de ter autorização do Congresso.

No caso da Olimpíada, quatro vezes mais que aquele teto, qualquer governo só poderia gastar essa fortuna se fosse autorizado por um plebiscito.

Nenhum governo tem autoridade para gastar o que se vai gastar com a Olimpíada, ainda mais um governo que nem vai estar no poder quando do gasto.

Pelo menos aqui em Zero Hora não estou sozinho sendo contra a Olimpíada:
o colega Flávio Tavares, que escreve aos domingos, também oferece inúmeras restrições básicas à iniciativa desastrosa.

E ainda se é obrigado a ouvir vozes concordinas que dizem que o Brasil ingressará no Primeiro Mundo quando realizar a Olimpíada.

Não sabem que o Brasil pode realizar mil olimpíadas mas só entrará para o Primeiro Mundo quando tiver vagas nos hospitais para seus filhos idôneos e vagas nos presídios para os inidôneos.

A garota Franciele Cunha Brandão, residente à Rua Fernando Abott 715, POA, com 22 anos de idade, tem glaucoma desde que nasceu.

Já perdeu um olho a pobrezinha, está devagarinho perdendo o outro.

O SUS de Porto Alegre declara que não há aqui em nossa cidade nem médico nem equipamento para salvar a menina da cegueira que assim se torna inevitável.

Há tratamento para o olho dessa menina em Goiás e talvez São Paulo. Mas o SUS não move há nove anos uma palha para tentar a cura da doença que fará na tenra idade uma garota ficar cega.

Não movem uma palha, os pusilânimes.

E ainda há gente querendo fazer Olimpíada no Brasil.

Era o caso de os partidos aliados do governo federal, por seus parlamentares, convocarem o presidente Lula a salvar essa menina.

Salvem-na ou não durmam direito até o fim de seus dias os que podem salvá-la e se omitem!

Olimpíada no Rio? Que desaforo!

Um comentário:

Luz do Sol disse...

ola,boa noite,gostei muito de seu blog, muito interessante,ate um dia destes